04 junho 2007

Passagem

A mulher baixinha que passava foi atropelada por um carro que também passava. E foi assim que tudo se passou:

O motoqueiro que voava pelo local só teve tempo de levantar a viseira, porque a velocidade limitava seu campo visual.

O homem gripado assoou o nariz, preocupado com a ocorrência: era sua aflição que escorria.

Os passageiros do ônibus parado amontoaram seus olhares interrogativos na mesma janela.

O menino que empinava despreocupação numa pipa deixou-a misturar-se ao céu e arregalou o azul que tinha dentro dele, querendo entender descontrole.

O guarda apitava numa tentativa surda de conter a curiosidade e abrir passagem para o socorro, tão aflito quanto o homem gripado.

A senhora da casa em frente fechou a janela com uma incompreensão abrupta, girando seu trinco todo estrangeiro.

O homem que saía da padaria trazendo pãozinho quente perdeu toda a fome ao abrir a boca, horrorizado.

A moça que passeava com dois cachorros ficou louca de raiva, tamanha sua indignação com o acontecimento.

O ciclista colorido perdeu a cor de tanto susto.

Os moradores do edifício vizinho à janela estrangeira salpicaram nas sacadas derramando uma cascata de perguntas.

O trânsito parou para olhar. O resgate parou para socorrer. A mulher baixinha parou de respirar.

O carro havia passado em cima dela. Ela passou desta para melhor.




5 comentários:

Patsy disse...

Que horror!!
A estoria, não a narração, heim.


bju

Jana disse...

:S
Com a gripe que eu tô, "passar dessa pra melhor" é sugestivo, hein, Kandy?rs.
Mas bem, o texto me fez lembrar uma queda que sofri numa ladeira íngreme de Ribeirão Pires, (queda que foi quase um suicídio, isso sim!). Embora viva, no que diz respeito à compaixão pela dor do próximo, uma mulher e um menino me viram caindo e ela comentou: "Já caí nessa rua! Quase me matei!", porém, não ouvi um "quer uma ajuda moça?", pelo menos que fosse pra me "brecar", já que provas também se espalharam pelo chão...:S
Mas como vaso ruim não quebra, tô aqui...rs
Parabéns pelo texto! Beijinhos

Anônimo disse...

Ei, Kandy.
A alegria tarda, mas não falha: parabéns pelo primeiro aniversário do blog! Muita saúde, amor, paz e poesia para você e todos nós que vivemos debruçados no parapeito desta deliciosa janela.
Beijos e beijos,

Sérgio Klein

Bruno Peres disse...

Maravilhoso texto kandy...

obrigado por usar a foto, fico feliz...

bjão

Ricardo disse...

Eu acho que vi uma pulga...rs