31 maio 2006

Quebra-cabeça


A mãe está lendo o jornal, sentada no sofá, enquanto a filha de sete anos brinca no tapete da sala com uns bloquinhos coloridos. Com seu raciocínio a mil, de repente a menina pergunta:
— Mãe, a gente vamos no shopping amanhã?
— A gente não vamos, filha, nós vamos.
— Nós quem?!
— Ué, eu, você e seu pai.
— Então, mãe, a gente!
— Eu sei, filha, mas é que com a gente não se usa “vamos”, mas “vai”.
— Mas eu, você e o papai não é a gente?
— É.
— E você não falou “eu, você e seu pai”?
— Falei.
— Então, é a gente vamos, oras!
— Filha, a gente e nós é a mesma coisa, mas um é vai e o outro é vamos, entendeu agora?
— Não. Se é a mesma coisa por que é diferente?
— Ai, bendita hora que te comprei esse joguinho de montar. Isso tá mexendo com a sua cabeça! — a mãe se esconde atrás do jornal, agora totalmente aberto.
— Mãe — a menina começa a puxar a barra da calça da mãe —, a gente não é duas palavras?
— A gente são duas palavras, Maria Eduarda!
— Olha aí! Tá vendo!? Como é a gente vai se agora é a gente são?!
A mãe começa a se mexer no sofá. Coloca o jornal de lado, ajoelha no tapete e olha firme para a garotinha, falando manso (muitas mães, quando não sabem as respostas, espelham a ignorância nos filhos, na tentativa de se safarem da situação):
— Duda, meu amor, a gente são duas palavras. Como é mais de uma palavra, a gente usa “são”.
— Então, falei certo: a gente são duas palavras, a gente vamos... Nós é uma palavra, então é vai: nós vai, né?
— Filha, presta atenção... — a mãe coça a cabeça.
— Presta atenção você, mãe! Você tá me ensinando errado... eu já sei contar faz tempo! Dois é mais que um.
— É, você tem razão. Vou tentar te explicar de outra forma — agora ela respira fundo, conta até dez mentalmente, se ajeita sobre as pernas, coloca o cabelo atrás das orelhas com as duas mãos.
— Alô-ô, tô esperando...
— Então, filha, olha só: a gente e nós são pessoas, certo?
— Que pessoas?
— Não importa. Pessoas são pessoas e pronto acabou. A gente são muitas pessoas, nós, a sociedade, entende?
— Sociedade é um conjunto de nós e de a gentes, então?
— Não, quer dizer, sim... A gentes? Que raio é isso?! Bom, voltando... as pessoas fazem parte da sociedade. Quando você diz “a gente”, embora esteja pensando em mais de uma pessoa e tenha dito duas palavras, precisa falar “vai”. Quando fala “nós”, mesmo sendo uma palavra só, precisa falar “vamos”.
— Ah, é ao contrário? É como se a gente valesse menos que nós?
— Nós e a gente são a mesma pessoa, filha de Deus!
— Ih, mãe, acho que você ficou louca. Primeiro, eu sou sua filha, não de Deus. Depois, eu sou uma pessoa só. E nós não era a tal sociedade? Como é que pode ser a gente?!
— Ai, Jesus! — a mãe bufa. — Escuta: é assim porque tem uma coisa chamada Gramática que diz que é assim.
— Ai, que Gramática burra! Nem sabe contar! Ela, então, é mais importante que nós que é a gente? Por isso a gente precisamos obedecer?
— A gente precisa obedecer, Maria Eduarda! Brinca aí, vai, brinca...
Silêncio. A mãe, achando que a filha tinha finalmente entendido o espírito da coisa, levantou-se do tapete e voltou a pegar no jornal. Ainda de costas para a filha, ouviu:
— É por isso que todo mundo só fala eu eu eu toda hora. Ninguém nessa tal sociedade entende o nós — e continuou montando seus bloquinhos.



11 comentários:

Neto disse...

Kandy,
Sabe, estou mais tranquilo. Antes achava que eu era incapaz de poder responder seus emails à altura. Agora percebo que não sou tão incapaz assim; você é que tem o dom, o poder de brincar com as palavras. Parabéns mais uma vez !

* ps. Dei muita risada ao ler o texto ...por enquanto, o mais divertido !

Priscila disse...

Oi Kandy,
Realmente seus textos são muito bons. Esse então é de dar nó em qualquer um...rsrsrs. Imagina o Klaus numa conversa dessas.
Muitos beijos e mais sucesso ainda no seu blog.
Pri

Du disse...

Oi Profesora e super amiga!!!!! rsrsrsrs

Adorei!!!!!!!!!!!!!

Muito legal... ralmente vc tem o dom...

O "Tudo negro no país do colorido" é super legal.... esse texto da menininha!!!! rsrsrsrs

Adorei o seu blog.. e parabêns pela iniciativa..... quem sabe eu não seja amigo de uma GRANDE futura autora!!!!! rsrsrsrs

Adorei!!!!!!

Bruno Peres disse...

kandy... esse texto foi muito engraçado.. parabéns !!!!
E a foto pelo que eu vim foi de sua autoria tb...
eu sabia qu evc era boa com as palavras, mas vc ta me surpreendendo com a fotografia...
parabéns

Sérgio Klein disse...

Kandy,

adorei essa Maria Eduarda, ligadíssima em tudo e muito engraçada. Quase capotei de rir quando ela chama a atenção da mãe: Alô-ô, tô esperando...
Fico esperando os próximos textos da sua futura antologia.
Beijos,

Sérgio

Jana disse...

Vi cena parecida, mas era com senos e cossenos...hahaha!
bjs

Ricardo disse...

Eu sou falastrão, e dispendioso com as palavras, mas sobre esse texto só uma basta: PRIMOROSO!
Parabéns!

Fernanda Suaiden disse...

Muito engraçado qnd a mãe diz: "Não importa. Pessoas são pessoas e pronto acabou." Ri muito!!!
Ai, ai, ai, só faço ter saudades de vc.
bj
DEUS te abençôe!!!

FÊ disse...

Ei Kan... qdo o bebe ousar em pergurtar alguma coisa dessa eu te ligo...rsrsrsrrs
beijos (dei muita risada, principalmente pq fiquei com dó da M.E!!!)

Glaucia disse...

Prima,
Demorei pra postar, porque quis ler tudo de novo, com calma.
E chego a seguinte conclusão: Você diz que eu sou boa em metáforas? Pois você é boa em troca de palavras! Seus trocadilhos estão cada vez melhores: algumas vezes hilários, outras vezes profundos, mas excelentes! Acredito que você encontrou o "veio da redação". Essa maneira de escrever dá personalidade aos seus textos e acaba criando o seu estilo próprio e inconfundível. Em breve você não precisará mais assinar seus textos. Você já tem sua marca registrada!
Muito sucesso é o que desejamos a você: eu e a verdadeira Maria Eduarda que foi sua musa inspiradora... rsrsrs
Só não conta pro povo que ela na verdade é a minha cachorra....

Thales Caravana disse...

Caí de pára-quedas nessa janela tem dois dias e só quería agradecê-la por leituras tão deliciosas.