17 julho 2006

A história de Judite


Judite não sabia o que fazer. Queria alguém que a fizesse rir, alguém que pudesse abraçá-la sem perguntar nada. Mas o ser humano é curioso por natureza, isso ela sabia. Por que está chorando? Por que está assim? Por que não sai um pouco? Mas fazê-la sorrir que era bom, nada.

Judite era esperta. Esperta e triste. Vivia melancólica pelos cantos, esperando o tal alguém que a fizesse sorrir, que pudesse abraçá-la. Não se olhava no espelho porque já estava cansada de ver a si mesma. Aquela companhia como reflexo não era o que ela desejava.

Judite era a desesperança em pessoa. Só sabia querer, não agia. Isso a impedia de ver além de sua própria imagem e a deixava cada vez mais distante de si mesma.

Judite chorava, inundando a sala. Havia lenços de papel por toda a casa da Judite. Eles a entendiam, ela pensava.

Judite já não assistia mais tv, não lia mais o jornal, não achava nada interessante. Vestia apatia, respirava solidão.

Judite um dia ouviu uma música vinda do vizinho. Era uma melodia linda, suave, confortadora. Esboçou um sorriso e lentamente foi sendo abraçada pela poesia daquele som.

Judite começou, daquele dia em diante, a prestar mais atenção às coisas, querendo ouvir mais. E vieram outras músicas ainda mais belas.

Judite se surpreendeu.

Judite estava encantada. Começava a ser fisgada pela vida com a isca das notas musicais. Deixou acabarem os lenços de papel e parou de chorar. Quebrou o espelho, vestiu uma roupa limpa e cheirosa, respirou fundo e saiu.

Judite saiu de si mesma.


10 comentários:

Jana disse...

Leve e lindoooooooooooo!
Jana

Bruno disse...

kandy...

que texto lindo... meu, muito bom !!!

Foi como vc disse anteriormente, á música toca a alma...

por isso que eu amo a arte....


Muito bom mesmo esse texto kandy....

bjs

Angela disse...

Kandy,
Vc está cada dia melhor !!
Que "delícia" de leitura.
Thanks
Angela

Well disse...

Adorei o texto!!!

Vou recomendar Judite para algumas pessoas.

Abração.

Glaucia disse...

Todo mundo tem seu dia de Judite, né...
E todos nós temos que buscar a música que toca nossos corações para sairmos dessa fossa...
Para alguns é uma música, para outros é o trabalho, alguns se acham na dança, na escrita, na academia... São tantas as possibilidades que a vida nos oferece! O que não podemos fazer é nos conformar em sermos Judite para sempre.

Neto disse...

Você disse tudo .... a palavra mágica é "agir". Ninguém é mais responsável pelo nosso caminho que nós mesmos. É claro que há momentos difíceis, em que não conseguimos encontrar saídas, mas só cabe a nós mesmos procurá-las. Para que haja uma reação é necessária a ação, e não é esperando algo ou alguém que tomaremos as rédeas de nosso caminho.

Glaucia disse...

Tem razão Kandy!
Acho que a sua Judite me inspirou! rsrsrsrs
BJKS

FÊ E AMANDA disse...

kan, passei por aqui..

Fabiano disse...

Oi Kandy!!!

Espero que a Judite ainda não tenha voltado. Não há nada melhor do que se perder de si mesmo.

Mas espero que ela ou pessoas como ela continuem passando pela sua janela de maneira tão leve e interessante quanto ela passou.

Abraços

Fabiano

Fernanda disse...

Realmente é um erro nos apoiarmos em nossos próprios pensamentos....
Judite se encontrou?!

bjs